Uncategorized

Resenha: Bom dia Sr. Mandela

bom-dia-sr-mandela_capa_1Bom dia Sr. Mandela é um livro autobiográfico de Zelda la Grange, uma sul-africana nascida de uma família pobre na década de 1970, mas que tinha privilégios por ser branca. Com o regime do apartheid em pleno funcionamento, isso significava o acesso à uma boa educação e à serviços públicos básicos, além do senso de direito à terra, o que garantia a separação entre brancos e negros em espaços públicos.

A separação entre brancos e negros acontecia abertamente. Ia desde escolas só para brancos e só para negros, até ônibus separados para cada um, e o fechamento de fronteiras para os negros. Ou seja, eles poderiam viajar até uma cidade X, mas não podiam ir até a cidade Y. Com isso, o governo controlava seus passos e suas vidas, e os colocava em um degrau abaixo na sociedade sul-africana.

Nascida e criada neste contexto, Zelda sempre foi conservadora, acreditando que o apartheid estava correto, e garantia aos brancos a tranquilidade para seguirem a sua vida como sempre foi. Ela relata que nunca havia ouvido falar em Nelson Mandela, até o momento em que ele foi solto depois de 27  anos da sua condenação à prisão perpétua. Durante o anúncio da soltura, ela estava na piscina da casa dos pais, e viu o pai sair para o quintal da casa e dizer: “estamos perdidos, o terrorista foi solto”.   Zelda tinha 20 e poucos anos e não entendeu o momento político que a África do Sul enfrentava, mas sentiu medo. Negros eram empregados, e não deveriam comandar o país.

Na época, a garota já estava formada em Secretariado Executivo e trabalhava no Departamento de Despesas do Estado. Até que em determinado momento, recebeu (de uma mulher negra) o convite para ser datilógrafa no gabinete do presidente, Sr. Mandela.

Em busca de novos desafios, Zelda aceitou o convite, e passou semanas tentando, a todo o custo, se manter distante do presidente. Até o momento em que o contato foi inevitável. Zelda começa a conhecer o “terrorista”, a se envolver com a história de seu papel e a entender as complexas relações políticas o mantinham os brancos ou os negros no controle.

O livro, publicado pela Editora Novo Conceito é recomendado por Bil Clinton, e é excelente para se entender o apartheid e suas consequências para a África do Sul, e os desafios que o país enfrentou para unificar seus cidadãos. Este desafio pode ser “personalizado” na resistência da própria Zelda em aceitar e se adaptar à todas as mudanças que o novo regime impunha ao seu país.

A cena em que ela aperta a mão de Nelson Mandela pela primeira vez é impagável e vale a leitura do livro!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s